Created with Snap
avaliação do carro

Como fazer avaliação do carro e saber o preço de troca e revenda?

De tempos em tempos, surge a necessidade ou vontade de trocar de carro. Nesse momento, é comum utilizar o carro atual na negociação, seja vendendo antes da troca ou utilizando o usado como parte do pagamento pelo próximo carro. Essa é uma estratégia de economizar na troca e facilitar o processo de compra. Mas para trocar ou revender o seu veículo da melhor forma possível, é preciso avaliá-lo corretamente, já que uma avaliação do carro adequada permite que você cobre um preço justo.

Muitas pessoas não sabem fazer a avaliação do carro, o que prejudica a negociação. Por isso, neste artigo, vamos explicar como fazer essa análise de maneira correta. Acompanhe!

Como fazer a avaliação do carro usado ou seminovo?

Antes de apontar as principais etapas na análise das condições de um carro usado ou seminovo, é importante compreender que, na maior parte das vezes, a maneira como o carro será avaliado segue um padrão comum em todo o Brasil. Ainda que possam existir certas diferenças entre um estado e outro, o estabelecimento de um padrão básico é o que permite que os preços dos veículos não variem muito, permitindo uma certa margem de segurança no país.

Nem todas as concessionárias recorrerão às mesmas ferramentas e seguirão à risca as mesmas condições de análises, mas existem certos pontos que serão semelhantes. Por isso, a seguir, listamos as principais questões a serem consideradas na hora de fazer a avaliação do carro seminovo ou usado para a revenda ou troca.

Entenda a depreciação presente na Tabela FIPE

O primeiro ponto que deve ser considerado na hora de fazer a avaliação é analisar o valor da depreciação do veículo com base no cálculo da Tabela FIPE. É importante compreender como a tabela funciona, pois muitos motoristas não entendem ao certo essa ferramenta e podem se sentir incomodados, equivocadamente, com o posicionamento das concessionárias.

Leia também:  Carro zero ou seminovo: vantagens e desvantagens

A Tabela FIPE não aponta um preço tabelado para os veículos. A intenção dessa ferramenta é apontar os resultados de uma pesquisa nacional para demonstrar a média de mercado de um determinado modelo de veículo em todo o Brasil. Dessa forma, a tabela é uma referência, um ponto de partida, mas não necessariamente um valor que precisa ser rigidamente seguido. Ela é levada em consideração, mas não define o valor do automóvel.

Saiba a diferença entre um veículo usado e um seminovo

Poucas pessoas sabem, mas um carro usado não é necessariamente um carro seminovo. Compreender essa diferença é fundamental para fazer uma análise adequada de seu veículo que será trocado ou revendido. Existem diversas questões a serem consideradas para definir corretamente essa classificação. Alguns aspectos mais comuns são:

  • ano do veículo: para ser considerado seminovo, é necessário que tenha menos de 3 anos de sua fabricação;
  • quilometragem: um ponto importante é o quanto o carro é rodado. Um veículo seminovo precisa ter menos de 60 mil quilômetros rodados, com uma média de 20 mil quilômetros anuais. Ou seja, se ele tem 2 anos, precisa ter rodado no máximo 40 mil.
  • quantidade de donos: esse ponto não tem muita discussão, pois é considerado carro seminovo aquele que passou por apenas um dono. Se passou por mais de um, é praticamente certeza que o veículo será considerado usado.

Perceba as condições de conservação do carro

Para além de questões mais técnicas, como a Tabela FIPE e a classificação “usado” ou “seminovo”, outro fator a ser considerado na hora de avaliar o carro é o seu estado de conservação. Essa é uma das questões mais importantes, pois um carro em boas condições terá melhor performance, o que proporciona um maior valor de mercado.

Leia também:  Carro usado ou seminovo? Conheça as principais diferenças!

A primeira questão avaliada é se o automóvel está com as revisões em dia, como está a sua mecânica e em que nível estão os desgastes de suas peças. Nessa situação, quanto mais conservado, melhor será. Um bom indício é que o desgaste do carro esteja de acordo com a quilometragem — e melhor ainda se estiver menos desgastado do que o esperado.

Pontos como pastilhas de freios e amortecedores devem corresponder à perspectiva de vida útil dessas partes. De maneira geral, as pastilhas duram cerca de 30 a 40 mil quilômetros. Nesse sentido, se o carro tem 25 mil rodados, o ideal é que elas apresentem um pouco menos da metade de sua vida útil. Caso as peças estejam mais desgastadas do que o esperado, o valor de mercado sofrerá reduções.

avaliação do carro

Fique atento aos aspectos visuais do veículo

O visual do carro usado ou seminovo também é um aspecto essencial para identificar o seu valor de mercado. Nesse sentido, é importante levar em conta a conservação da pintura, lataria e simetria da estrutura. Mais do que detalhes estéticos, o visual do carro é fundamental para identificar o cuidado que o antigo proprietário teve com o veículo.

Com relação à pintura, pouco brilho já é suficiente para a desvalorização do veículo, mas outros aspectos, como a diferença de tonalidade entre as partes, é um problema mais grave. O estado da lataria também é um ponto importante, pois arranhões, ferrugens, bolhas ou sinais de batida depreciam o veículo. Além disso, a simetria é outro aspecto visual a ser considerado, pois um carro desalinhado pode significar que ele passou por acidentes e alterações.

Avalie as condições de oferta e demanda do carro

Por último, mas não menos importante, para fazer a avaliação do carro de forma adequada, é necessário saber qual é a sua procura e oferta no mercado. Aspectos como o nível de saída do modelo e o tempo que ele geralmente fica no estoque da loja são bons indícios. Carros pouco comuns muitas vezes são o sonho de muita gente, mas, depois, podem ser difíceis de passar para frente. Portanto, considere tudo isso para a sua tomada de decisões.

Leia também:  Cuidados para você viajar em 2020 com segurança!

Trocar de carro é algo que acontece naturalmente, de tempos em tempos, seja por necessidade ou desejo. Mas para fazer a troca ou revenda, é necessário saber realizar a avaliação do carro. Como foi possível notar ao longo deste artigo, conhecer o mercado, garantir o estado de conservação e a originalidade do veículo é fundamental para uma boa negociação. Além disso, procure lojas especializadas, que garantem a qualidade dos veículos negociados!

Quer saber mais sobre troca e revenda de carros? Então, acesse o nosso artigo sobre como transferir o documento de um carro de um estado pra outro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

você também pode gostar de:

© 2021 Blog Unidas Seminovos - Todos os direitos reservados